Via Gamer
Olá, bem-vindo a Via Gamer. Só aqui você encontrar as melhores dicas, análises, detonados, notícias e muito mais. Deseja se conectar ou registrar agora?


Notícias, Análises, Detonados, Dicas e Muito Mias.
 
PortalInícioBuscarGruposRegistrar-seLogin
Sejam Bem-Vindos! E leia as Regras, para ficar informado sobre a Via Gamer
Fique por dentro do que acontece no mundo game com nossas Notícias

Compartilhe | 
 

 Há uma parte de mim nos games, diz compositor de 'World of Warcarft'

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
marzotto
Administrador
Administrador


Mensagens : 145
Créditos : 399
Reputação : 39
Data de inscrição : 25/05/2011
Idade : 22
Localização : SAO PAULO

MensagemAssunto: Há uma parte de mim nos games, diz compositor de 'World of Warcarft'   Sab Out 15, 2011 12:22 pm

Russell Brower, diretor de áudio da Blizzard.
'Tentamos criar músicas que você vai assoviar', afirma.


Há seis anos na Blizzard, ele acredita que a música é parte importante nos games. "Com a música, temos a habilidade de nos comunicarmos em um nível diferente do que os gráficos, as vozes e os efeitos especiais e a jogabilidade. Ela dá suporte à jogabilidade, mas conseguimos ter uma experiência mais profunda, imersiva e emocional."

Para Brower, a trilha sonora amplifica o jogo e sua história. Ele cita o jogo on-line para diversos jogadores “World of Warcraft” que possui diversas áreas e situações onde cada música cria um contexto sem ter mais destaque do que as ações na tela. “Não pode ser algo chato, tem que ser um algo mais."

Ele conta que gosta de trabalhar com a composição da música por bastante tempo e tudo relacionado ao game ajuda na inspiração. "Tento entender o projeto, seja ele uma nova área ou uma nova raça, com bastante antecedência para quando chegar o dia da gravação eu poder gravar apenas uma ou duas vezes, pois isso toma tempo e recursos. Quanto mais tempo passo exposto com a arte, com a história, com o roteiro e com as vozes dos personagens, tudo isso alimenta minha visão do que será a música."




Nos games, as músicas têm que se alinhar com o que acontece na tela, e esta é a maior dificuldade para compor as músicas, segundo Brower, e até a escolha dos instrumentos também é importante. Em "The Burning Crusade", expansão de "World of Warcraft", ele foi o responsável por compor a música da raça Blood Elf e afirma ter feito a conexão destes seres com o som de um violoncelo. "O violoncelo é bonito e triste, como os Blood Elves. Eles são lindos, mas têm um passado trágico. Achei a conexão boa e colocamos o instrumento na trilha e não há nenhum outro lugar no game em que o instrumento foi usado [nas músicas]."

Ele compara seu trabalho a de um escultor ou pintor, que pode escolher cores de tinta e tipos de pincéis para criar obras de arte. No caso de Brower, ele usa diferentes instrumentos musicais e sintetizadores para criar uma trilha sonora que passe emoção.

"O segredo [de se fazer boas músicas] está no contraste. Boa música, ou uma boa obra de arte, tem contraste, preto e branco, luz e sombra. Quando você precisa fazer uma trilha sonora soar épica, você precisa ter uma parte da música que é calma e suave para depois trazer o contraste. Desse modo, quando o grande momento chegar, você precisa fazer com que o jogador seja pressionado na cadeira. Precisamos levar o jogador para este momento, começando com algo mais sutil, que invade seu ouvido sem perceber, até chegar no momento épico", conta o diretor de áudio.





Diferenças e inspirações
A diferença entre fazer trilha sonora para um filme e para um game é técnica, segundo Brower. Ele afirma que no game, o compositor deve trabalhar próximo do designer do jogo para saber os momentos com mais ação e mais calmos. "As diferenças entre filmes e games diminuíram. Somos todos contadores de histórias, seja na TV, no cinema ou nos jogos. A música serve para ampliar este entretenimento para o jogador."


Sobre as músicas dos games antigos, de consoles de 8 bits ou 16 bits, Brower conta que tem muito respeito por esses compositores pois, "com as limitações de ter poucos sons ao mesmo tempo, eles não podiam errar na melodia". "A melodia é o coração da música. Uma boa melodia funciona em uma orquestra grande e em um piano. Muitos filmes hoje se apoiam na ideia de ter uma trilha sonora feita por uma grande orquestra. Mas sem uma boa melodia, ninguém sai do cinema assoviando a canção-tema", conta. "Tentamos criar a música que você vai assoviar."

A inspiração de Brower vem da experiência de toda sua vida. "Tudo o que vi, ouvi ajudam nas composições. Meu pai adorava Sergio Mendes e eu o escutei demais. Procurava na internet quais os instrumentos que estavam nas músicas e tentava usá-los nas minhas composições".

Brower, que se apresentará em São Paulo neste sábado (15) no Video Games Live, diz que existem duas músicas de "World of Warcraft" que possuem "parte dele" no jogo: "Lament to the Highborne" e "Invincible". "Essas duas músicas são muito importante para mim e carregam emoções que eu estava sentindo na época em que as compus."

:spak:

--------------------------------- © Via Gamer ---------------------------------


Treco Piscante

☯ Mas quanto mais a gente rala, mais a gente cresce ☯
Voltar ao Topo Ir em baixo
 

Há uma parte de mim nos games, diz compositor de 'World of Warcarft'

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Via Gamer :: Central :: Noticias do Mundo dos Games-